[1º ano] Filosofia: Situando no tempo o nascimento da Filosofia

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

| | |
Situando no tempo o nascimento da Filosofia

As narrativas míticas tentavam responder as questões fundamentais, como: a origem de todas as coisas, a condição do homem e suas relações com a natureza, com o outro e com o mundo, enfim, a vida e a morte, questões que a filosofia desenvolveu no decorrer de sua história. Mas aqui podemos formular outra questão: a filosofia nasceu da superação dos mitos, mas foi uma superação gradual ou um rompimento súbito? Para tanto, temos que primeiramente identificar algumas diferenças básicas entre os mitos e a filosofia. O Mito (Mythos) é narrado pelo poeta rapsodo, que escolhido pelos deuses transmitia o testemunho incontestável sobre a origem de todas as coisas, oriundas da relação sexual entre os deuses, gerando assim, tudo que existe e que existiu. Os mitos também narram o duelo entre as forças divinas que interferiam diretamente na vida dos homens, em suas guerras e no seu dia-a-dia, bem como explicava a origem dos castigos e dos males do mundo. Ou seja, a narrativa mítica é uma genealogia da origem das coisas a partir de lutas e alianças entre as forças que regem o universo.
A Filosofia, por outro lado, trata de problematizar o porquê das coisas de maneira universal, isto é, na sua totalidade. Buscando estruturar explicações para a origem de tudo nos elementos naturais e primordiais (água, fogo, terra e ar) por meio de combinações e movimentos.
Enquanto o mito está no campo do fantástico e do maravilhoso, a filosofia não admite contradição, exige lógica e coerência racional e a autoridade destes conceitos não advém do narrador como no mito, mas da razão humana, natural em todos os homens. 

Teorias sobre a origem da Filosofia

Teoria Orientalista: defende que a origem da filosofia está ligada ao contato que os gregos tiveram com a sabedoria oriental (egípcia, persa e babilônica). Vários pesquisadores são categóricos ao afirmar que as grandes civilizações orientais mantiveram contato com as civilizações gregas e essas determinaram formas da vida social, da religião, das artes e das técnicas usadas pelos gregos.

Teoria do “Milagre Grego”: afirmava que o surgimento da filosofia na Grécia se deve a uma espécie de “milagre grego”, ou seja, os gregos foram um povo excepcional, sem nenhum outro semelhante a eles, nem antes nem depois deles, e por isso somente eles poderiam ter sido capazes de criar a filosofia, as ciências e dar às artes uma elevação que nenhum outro povo conseguiu.

Fatores históricos que contribuíram para o nascimento da Filosofia:
A invenção da escrita: com o ressurgimento da escrita, entre os séculos IX e VIII a.C., esta se desliga da influência religiosa, passando a ser utilizada para formas mais democráticas de poder. A escrita gera uma nova idade mental porque a postura de quem escreve é diferente daquela de quem apenas fala.

O surgimento da moeda: inventada na Lídia (Turquia), aparece na Grécia por volta do séc. VII a.C., vindo facilitar os negócios e impulsionar o comércio. Com a democratização de um valor, a moeda supera os símbolos sagrados e afetivos, racionalizando uma medida comum.

A lei escrita: séc. VII a.C., proporcionou a criação de regras comum a todos, de forma racional, sujeita à discussão e modificação. Antes dela, a justiça era dependente da interpretação da vontade divina ou da arbitrariedade dos reis.

O cidadão da pólis e a consolidação da democracia: com o nascimento da pólis grega (modelo das antigas cidades) que estava centralizada na ágora (praça pública), lugar onde se debatiam os problemas de interesse comum. Contribuiu para a autonomia da palavra, não mais a palavra mágica dos mitos, dada pelos deuses, mas a humana do conflito, da discussão, da argumentação. O hábito da discussão pública estimulou o pensamento racional, argumentativo, distanciando-se cada vez mais das tradições míticas.

Caros alunos,
Estas teorias, de certa forma são exageradas, pois foram criadas por pesquisadores que queriam valorizar o seu contexto histórico, desmerecendo as influências de outros povos ou supervalorizando a sua própria. De fato, a Filosofia surgiu na Grécia, mas o seu nascimento não foi nem uma apropriação de culturas orientais, nem um milagre grego. Tratou-se, na verdade, de uma junção de fatos históricos ocorridos na Grécia que favoreceram o desenvolvimento de uma nova maneira de pensar.

Sendo assim, o nascimento da Filosofia não se deu de forma instantânea, como uma ruptura do pensamento mitológico, mas que vários fatores históricos propiciaram o desenvolvimento de uma nova estrutura de pensamento - o pensamento crítico.

Mesmo com o surgimento da Filosofia, o pensamento mítico continuou a fazer parte da vida dos gregos, inclusive da própria Filosofia, pois nos textos dos primeiros filósofos eram encontradas as mesmas estruturas de pensamento existentes no relato mítico, como por exemplo, a aceitação da existência de forças opostas que deram origem à vida e aos fenômenos da natureza. Segundo o estudioso Francis Cornford, essa explicação se assemelha aos relatos de Hesíodo na Teogonia, obra que trata da genealogia dos deuses gregos.

Fontes:
ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: Introdução à Filosofia. São Paulo: Moderna, 1995, p. 38-39.
COTRIM, Gilberto; FERNANDES, Mirna. Fundamentos da Filosofia. São Paulo: Ed. Saraiva, 2010, p. 165.
MENDES, Ademir Aparecido Pinhelli, et al. Filosofia – Ensino Médio. Curitiba: SEED-PR, 2006, p. 19-22.

2 comentários:

Anônimo disse...

mto bommmmmmmmmmm

Lariissa disse...

Parabéns pelo blog e pelos textos que são otimos :)

Postar um comentário

Comentem!